skip to Main Content
(21) 99186-5884 contato@neurocienciasaplicadas.com.br
Últimas Semanas Para Inscrição Na TURMA 4 Da Pós-Graduação Em Neuropsicologia Clínica

Últimas semanas para inscrição na TURMA 4 da Pós-Graduação em Neuropsicologia Clínica

A neuropsicologia moderna começa por volta da década de 60 do século passado com a introdução de novos modelos de avaliação. Desde então, novos testes e novas ideais sobre avaliação foram formulados e estão bem descritos nos volumes consecutivos de avaliação neuropsicológica, escritos por Lezak et al. (Lezak et al., 2012). Logo, as raízes dos procedimentos de avaliação atuais podem ser rastreadas até o século XIX e início do século XX.

Muitos desses testes foram projetados por neurologistas ou psiquiatras, usando o bom senso, em vez de um arcabouço teórico formal. O médico presumivelmente poderia dizer o que era normal ou anormal, simplesmente observando o desempenho de um paciente em um determinado teste. Ainda hoje, o exame de um paciente sempre começa com uma boa observação.
No início do século XX, foram desenvolvidos testes de inteligência para discriminar crianças superdotadas e com dificuldades e para jovens que se candidatavam ao exército americano. Isso levou ao desenvolvimento de procedimentos mais formais para determinar as pontuações e o campo da psicometria.

Consequentemente, desde então, algumas baterias de testes neuropsicológicos também passaram a aplicar procedimentos estatísticos e escores de normas para a interpretação do desempenho nos testes. Em contraposição a essas adaptações outros neuropsicólogos, como Goldstein e Luria, optaram por permanecer nas avaliações qualitativas e em observações.

Olhando para trás, é notável ver que muitos testes do repertório contemporâneo derivam de procedimentos desenvolvidos antes ou por volta de 1900. Muitos testes foram usados ao longo dos anos e as pontuações foram interpretadas em diferentes estruturas teóricas usadas ao longo dos anos. Isso sugere que os procedimentos foram considerados válidos, embora as visões teóricas tenham mudado.

É importante que um neuropsicólogo clínico atual esteja ciente dos antecedentes de seus procedimentos de avaliação. O Insight fornece uma oportunidade de tomar consciência das possibilidades e limitações de um teste e também de fazer algo a respeito. Um profissional não pode e não deve confiar cegamente que um teste realmente mede o que está escrito na caixa.
Fonte: Eling, P. History of Neuropsychological Assessment. in 164–178 (2019). doi:10.1159/000494963

Back To Top